Veja a seguir sugestões de livros para você aproveitar ao máximo publicações da área de História.

 

Crédito e descrédito: relações sociais de empréstimos na América (séc. XVIII-XX)

livro-cgg

Organizadores: Profs. Drs. Carlos Gabriel Guimarães e Luiz Fernando Saraiva. 

A publicação da Editora da UFF contribui para a historiografia financeira do Brasil e da América Latina, abarcando tópicos como os atores financeiros do período estudado, formas de empréstimos e instituições bancárias, dentre uma série de outros fatores. O livro abarca do período colonial ao republicano, contando, ainda, com autores brasileiros e estrangeiros.

 

 
Patrimônios de influência portuguesa: modos de olhar

patrimonios_de_influencia_portuguesa_-_220pxOrganizadores: Profs. Drs. Walter Rossa e Margarida Calafate Ribeiro. 

A publicação, que reune autores de universidades do Brasil e da Europa, como Portugal, França e Inglaterra, problematiza a questão do patrimônio e está no contexto do programa de doutoramento Patrimónios de Influência Portuguesa, da Universidade de Coimbra, que editou o livro na terra de Camões. No Brasil, foi publicada pela EdUFF.

Do Brasil a Portugal, passando por Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe, a presença portuguesa deixou rastros na paisagem, nos costumes e mesmo no modo de sentir, que constituem um conjunto de percepções que se chama patrimônio. Frente à marcante presença, na capa, foto da Igreja de São Francisco Xavier, em estilo colonial, na cidade de Niterói.

 

 

"Coleção O Brasil Colonial" (3 volumes)

10903345_904015996296773_269447152_nOrganizadores: Profs. Drs. João Fragoso e Maria de Fátima Gouvêa.

Livro fundamental para entender a História do Brasil, os três volumes reúnem estudos sobre o período de 1500-1808, desde as descobertas portuguesas até o estabelecimento da família real portuguesa no Rio de Janeiro. Devido à sua pluralidade, a coleção não visa somente o público universitário, mas, também, os leitores interessados e curiosos sobre a nossa história. Os artigos pretendem suprir uma grave deficiência na produção acadêmica que, por vezes, se mostra avessa às obras de divulgação. Estão aqui reunidas as principais tendências da pesquisa histórica nos últimos 20 anos. Por fim, a obra foi vencedora do prêmio Jabuti 2015 na categoria Ciências Humanas. 
 

 

 

"O golpe de 1964: momentos decisivos”

livrofico1964_2014

Autor: Prof. Dr. Carlos Fico (PPGHIS/UFRJ)

Uma das maiores autoridades em âmbito nacional e internacional sobre o tema do regime de 1964, o historiador Carlos Fico tem mais um de seus trabalhos publicado pela FGV.

Entende-se que o golpe de 1964 é o evento-chave da história do tempo presente do Brasil. Portanto, questiona-se: Por que setores significativos da sociedade brasileira aprovaram a deposição do presidente João Goulart? Como o golpe de Estado se transformou em uma ditadura militar que duraria 21 anos? Quais foram os episódios decisivos que o antecederam? Houve apoio do governo dos Estados Unidos da América? Qual foi o papel das lideranças civis e militares? Baseado em amplas evidências empíricas, "O golpe de 1964: momentos decisivos" apresenta síntese atualizada das mais recentes e confiáveis descobertas historiográficas.

Por fim, esta obra, lançada no contexto dos 50 anos de instalação do regime militar, o leitor é convidado  a uma gama de reflexões: as instituições democráticas de nosso país são sólidas? A sociedade brasileira, hoje em dia, não mais aceita soluções autoritárias para seus problemas? É ler, refletir e, como um bom vinho, "degustar" de mais uma publicação de um dos maiores nomes sobre o tema.

 

 

 

 

"A História como ofício: a constituição de um campo disciplinar"

livromarieta

Autor(a): Profª. Drª. Marieta De Moraes Ferreira (UFRJ/FGV) 

Qual o papel social dos historiadores? Qual a importância da história universitária e da formação dos professores dessa disciplina? Neste livro, Marieta de Moraes Ferreira reflete sobre a trajetória dos cursos universitários de história do Rio de Janeiro (1935-1965) e apresenta os depoimentos de diferentes gerações de professores de história, como Francisco Falcon, Cybelle de Ipanema, Miridan Falci, Clóvis Dottori, Neyde Theml, Pedro Celso Uchoa Cavalcanti, Ilmar Mattos, Arno Wehling, entre outros.

 

 

 

“El Declive: Uma mirada a la economía de Uruguay del siglo XX”.

oddone

Autor: Prof. Dr. Gabriel Oddone Paris (Profesor Titular en Universidad de la República)

El libro está organizado en tres partes. La parte I presenta evidencia de Uruguay registra un prolongado proceso de deterioro económico que inicia en algún momento del siglo XX. Según se verá, el "declive" de Uruguay está caracterizado por tres hechos estilizados: el crecimiento de largo plazo es extraordinariamente pobre, las fluctuaciones cíclicas son comparativamente profundas y el crecimiento económico ha estado predominantemente explicado por un uso más intensivo de los factores productivos antes que por una mayor eficiencia en su utilización.

La parte II describe la naturaleza de las restricciones externas que el país ha enfrentado durante el siglo XX y analiza su influencia sobre las orientaciones de la política que predominaron durante el período del declive. Finalmente la parte III está dedicada a responder la pregunta: ¿qué papel tuvieron las instituciones y las políticas en el declive de Uruguay en la segunda mitad del siglo XX?

 

 

"Memória, escrita da história e cultura política no mundo luso-brasileiro"

livroppghisfgv

Organizadores: Prof. Dr. Fernando Catroga (Universidade de Coimbra), Profª. Drª. Francisca L. Nogueira de Azevedo (PPGHIS/UFRJ) e Profª. Drª. Jacqueline Hermann (PPGHIS/UFRJ)

Este livro reúne ensaios de professores brasileiros e portugueses que analisam, com diferentes enfoques, a profunda crise de paradigmas que atravessou o século XVIII e buscou variadas formas de acomodação ao longo dos séculos XIX e XX.

Além do intercâmbio e da colaboração entre pesquisadores brasileiros e portugueses, o diálogo historiográfico então estimulado permitiu um raro exercício de balanço e análise crítica a partir do recorte temático deste projeto, cujos resultados seguem impressos nos 12 textos que compõem esta coletânea, que estão divididos entre a "Escrita da história" e as "Culturas políticas".

 

 

 

"Monarquia Pluricontinental e a Governança da Terra no Ultramar Atlântico Luso"

livrofragoso&jucáOrganizadors: 

Prof. Dr. João Fragoso (PPGHIS/UFRJ) e Prof. Dr. Antonio Carlos Jucá de Sampaio (PPGHIS/UFRJ)

A obra tem por objeto o poder local no império português. Sua abordagem busca analisar a dupla dimensão de que este poder se revestia; por um lado, lócus de reprodução das hierarquias sociais costumeiras controlado pela elite. Por outro, veículo de comunicação e negociação desta mesma elite com a coroa. Tal análise parte da compreensão da monarquia portuguesa como uma monarquia corporativa, na qual o poder encontrava-se partilhado entre diversos atores. Nesta concepção, o poder local não é uma derivação do poder central mas, pelo contrário, fortemente independente, dotado de esferas própria de atuação e de legitimidade. Para analisar as formas concretas através das quais esse poder local se manifesta, este trabalho debruça-se sobre diversas regiões da América e da África, buscando traçar um panorama tão geral quanto possível da governança da terra.

 
 "Fronteiras em movimento: história comparada – Argentina e Brasil no século XIX"

verónica

Autor (a): Prof.ª Dr.ª María Verónica Secreto (PPGH/UFF)

A historiadora parte da ideia de que a abundância relativa de terras, no Oeste Paulista e no Sudeste da província de Buenos Aires, contribuiu fortemente para gerar um tipo específico de sociedade, na segunda metade do século XIX. Àquela época, as grandes extensões de terra foram incorporadas à produção para responder à demanda gerada pelo mundo industrializado: algodão dos Estados Unidos, café da Venezuela e do Brasil, lã dos pampas argentinos etc. Geograficamente, as planícies norte-americanas, os pampas sul-americanos e as estepes do sul da Rússia e da Hungria eram semelhantes; por esse motivo todas desenvolveram o mesmo tipo de agricultura, a dos cereais, mas do ponto de vista político, social e legal havia grandes diferenças. Este livro da Editora da UFF – através da comparação entre duas regiões incorporadas ao sistema mundial nesse período – tenta em grande medida explicar essas diferenças.

 

 

 "Hierarquias, raça e mobilidade social: Portugal, Brasil e o Império Colonial Português"

hierarquias_raca_mobilidade_social_150Organizadores: Profª. Drª. Célia Cristina da Silva Tavares (PPGHS/UERJ) e Prof. Dr. Rogério de Oliveira Ribas (PPGH/UFF)

 O livro que apresenta tendência historiográfica brasileira é dividido em cinco partes, que, a seu turno, são subdivididas em uma variedade significativa de capítulos. A primeira parte, a cargo da Prof.ª Dr.ª Georgina Silva dos Santos (UFF), contém artigos acerca de aspectos religiosos da igreja de Roma, mais especificamente a envolver clérigos e missionários. Também a envolver o catolicismo de outrora, mais especificamente a Inquisição, e sob a coordenação da Prof.ª Dr.ª Daniela Buono Calainho (UERJ), está a segunda parte da publicação. A seguinte, “Gênero e categoria de cor” é comandada pela Prof.ª Dr.ª Sheila de Castro Faria (UFF), a quinta, “Política e projeção social”, pelo Prof. Dr. Luciano Figueiredo (UFF) e a última parte, “Mercês e graças régias”, pelo Prof. Dr. Rodrigo Bentes Monteiro (UFF).

Dentre os capítulos do livro e abarcar as diversas linhas da publicação, áreas do Império português e temporalidades, temos, por exemplo, textos como o do Prof. Dr. Fábio Ferreira (UFF), intitulado “A participação de índios e negros no exército português: o caso da Cisplatina”, o do Prof. Dr. Jorge Victor de Araújo Souza (UFRJ), “'Aqueles que são bem nascidos têm pouca chance de degenerar': Aspectos hierárquicos em um mosteiro do Rio de Janeiro (séculos XVII-XVIII)” e o da Prof.ª Dr.ª Carolina Chaves Ferro (BN), “Homens de negócios e sua ascensão social na Bahia da segunda metade do século XVIII”. Verifica-se, a partir dos exemplos e sempre com  questões concernentes às hierarquias sociais em perspectiva, capítulos que analisam, por exemplo, o exército e o aspecto racial, os sacerdotes e a estrutura religiosa e os comerciantes e as relações sociais em uma das principais praças comerciais do Império luso. Assim, a abarcar o mosaico que constituía o Império português, a publicação reconstitui suas múltiplas facetas, bem como traz ao leitor uma gama de capítulos que apresentam a atual tendência historiográfica do país.