Arquivo da tag: Cine Debate

Não Olhe para Cima

Direção/Roteiro: Adam McKay

Elenco: Jennifer Lawrence, Leonardo DiCaprio, Mark Rylance, Cate Blanchett, Meryl Streep.

Produção: EUA, 2021.

Um dos filmes mais assistidos de toda a história da Netflix, “Não Olhe para Cima” estreou nos últimos dias de 2021 e traz ao público uma tragédia: pesquisadores de uma universidade (vividos por Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence) descobrem o cometa Dibiasky, que, em poucas semanas, se chocará com a Terra e destruirá a vida no planeta.
Inseridos em uma sociedade frívola, hipnotizada pelo ritmo frenético dos algoritmos da web, das mídias (sociais e tradicionais) e que se interessa pelo mundo das celebridades e da política transformada em circo tragicômico, a destruição da Terra se torna, também, um show e oportunidade para vários personagens e grupos sociais levarem o seu quinhão.
Em Hollywood, há quem lance filme sobre o cometa. Também há quem explore a situação em livro e a preocupação se haverá o Super Bowl. A presidente dos EUA (Meryl Streep), sempre auxiliada por seu filho (Jonah Hill) nas questões políticas e no uso exaustivo das redes sociais, pensa nos benefícios políticos que pode lograr com o Dibiasky. O dono de uma gigante da tecnologia (Mark Rylance), que pela sua fortuna leva os interesses de sua organização para dentro da Casa Branca, se opõe ao projeto da Nasa para o cometa, a ponto de Washington submeter-se ao empresário que quer extrair metais do corpo celeste. Para seduzir a população para o projeto, o CEO argumenta que a riqueza do Dibiasky acabará com a pobreza na Terra. Até mesmo o acadêmico interpretado por Di Caprio cede ao poder da fama. Em determinado trecho do filme, de um acadêmico que pelos cacoetes do ofício tem dificuldade de se comunicar com o grande público, vira estrela midiática, estampando jornais e fazendo peregrinação por vários programas de TV, beneficiando-se, portanto, desse universo.
Além disso, há aqueles que acusam os pesquisadores de marxistas e os que buscam soluções estapafúrdias, como a compra de pás para cavarem buracos para se protegerem do cometa. O que a ciência detectou é, para alguns, um complô, ou seja, o que os pesquisadores levaram à sociedade não passaria de uma grande mentira. Paralelamente, a cada dia o cometa aproxima-se e o risco de extinção da vida na Terra está para chegar. 
Porém, o que o filme mostra é que o que vale para uma sociedade anestesiada, embevecida por um mundo superficial e manipulada por oportunistas são os benefícios obtidos via uma tragédia anunciada, que foi politizada e explorada economicamente, mesmo que custe 7 bilhões de almas. Em um contexto de cloroquina, da junção da política com redes sociais, políticos e celebridades toscas, fake news, aquecimento global, dentre outros elementos que caracterizam a atualidade, o filme é uma sátira interessante da sociedade atual.

 

Spoiler
Não deixe de assistir aos créditos finais, pois em dois trechos surgem cenas importantes. Uma é a dos ricaços, que fugiram, em uma nave, em busca de outro planeta, já que a Terra foi destruída pelo cometa. A outra, é a do único sobrevivente da tragédia, o filho da presidente, que, esquecido pela mãe no nosso planeta, quer pelo seu celular mostrar a nova realidade através das redes sociais.

 

 

– Veja outras dicas de filmes e séries clicando aqui.

 

– Conhecimento: clique aqui para artigos acadêmicos.

 

– Notícias: acesse a seção com um único clique aqui.

 

 

Se inscreva no nosso canal do YouTube:

https://www.youtube.com/revistatemalivre?sub_confirmation=1

 

 

Leia artigos acadêmicos disponíveis na Revista Tema Livre clicando aqui.

 

 

Escute os podcasts da Revista Tema Livre clicando aqui.

 

 

 

Voltar ao início do site

GETÚLIO

Cartaz do filme Getúlio.

Cartaz do filme Getúlio.

Direção: João Jardim/Roteiro: George Moura

Elenco:  Tony Ramos, Drica Moraes, Alexandre Borges, Thiago Justino, Alexandre Nero, Jackson Antunes, Clarice Abujamra, Fernando Eiras e Daniel Dantas.

Coprodução: Globo Filmes, Copacabana Filmes, Fogo Azul Filmes, Midas Filmes.

O filme de João Jardim aborda os últimos dias de vida do presidente Getúlio Vargas (Tony Ramos), com o profundo entrelace entre a vida pessoal do personagem, o seu governo democrático e a História do Brasil. 
A película inicia-se com o famoso atentado a Carlos Lacerda (Alexandre Borges) na rua Tonelero, em Copacabana, que resulta no assassinato de militar da Aeronáutica. Nas próximas horas do filme, o espectador assiste à investigação criminal e, em especial, as consequências na política nacional e para Vargas do crime em questão. Pouco a pouco, vai-se, nesse thriller político e psicológico, desvendando-se um Vargas fragilizado não só politicamente, mas, também, emocionalmente, cansado das intrigas típicas dos jogos de poder. Vai-se, assim, descortinando um personagem que os âmbitos político e pessoal estiveram, por décadas, intrinsecamente ligados. Em seu crepúsculo, seja como homem público, seja como indivíduo, um inocente Vargas descobre paulatinamente o quão perto de si estava o “mar de lama”, expressão utilizada por seus opositores, que a política brasileira e o Catete estavam mergulhados. O filme termina com o já conhecido desfecho trágico da situação, para, em seguida, brindar o público com várias imagens da época.
Brilhantemente, Tony Ramos e Drica Morais interpretam, respectivamente, o personagem título e a sua filha. Mesmo não guardando semelhanças físicas com o presidente em questão, vê-se, em Tony Ramos, Getúlio Vargas. Drica passa ao público o drama de Alzira, filha que vê o declínio político e pessoal de seu pai. Alexandre Borges faz o ferrenho opositor do líder máximo da nação. Jackson Antunes dá vida ao vice, Café Filho, desejoso de poder, mesmo que para isso venha a trair Vargas. Enigmático, Thiago Justino interpreta Gregório Fortunato.
Importante pontuar que as lentes de Jardim captam com maestria a beleza ímpar do Palácio do Catete. Valendo-se do cenário em que os fatos históricos se desenrolaram, o diretor realiza vários takes, que apontam a dramaticidade do momento da História do Brasil e dos Vargas.
Assim, Vargas é uma produção brasileira que traz ao público parte da história republicana em um interessante filme, valorizado, também, pela beleza estética da película, pelos ótimos atores que interpretam com maestria personagens históricos e com roteiro que prende o espectador do início ao fim. Vale muito assistir! 

 

Saiba mais sobre a Era Vargas clicando aqui.

 

Tony Ramos como Vargas.

Tony Ramos como Vargas.

 

 

Voltar à seção Cinehistória

 

Ir à página inicial

O Quinze

Direção/Roteiro: Jurandir de Oliveira
Elenco:  Juan Alba, Karina Barum, Jurandir de Oliveira, Soia Lira e Maria Fernanda
Produção: Brasil, 2004 (1h40min)

o-quinzeO filme é adaptação do romance homônimo de Rachel de Queiroz, que tem como base a seca de 1915, que assolou o sertão cearense. A película é uma oportunidade do espectador entrar em contato com a literatura brasileira, com uma parte da História do Brasil e com a cultura do Nordeste do país – sendo a trama, inclusive, a história dos antepassados de muitos que, hoje, estão em capitais como Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo.
A obra cinematográfica mostra momento da história do Ceará repleto de adversidades, quando a seca expulsa uma série de habitantes da região de Quixadá, desestruturando a economia e diversas famílias. Para sobreviver à seca e ter capital para migrar, o vaqueiro Chico Bento desfaz-se de seus bens e sonha com uma vida melhor para os seus, cogitando ir para a Amazônia e viver da borracha. Porém, o personagem está longe de lograr o seu plano de uma vida melhor.
Impossibilitado de abandonar Quixadá pelos caminhos de ferro, Chico, a esposa, Cordulina, a filha adotiva Mocinha e seus quatro meninos partem por terra, enfrentando duro percalço no trajeto, que inclui a fome, o consumo de pouca água, que, a seu turno, é de péssima qualidade, e a dilapidação dos poucos bens que possuem – basicamente uma mula e quantidade ínfima de dinheiro – para sobreviverem nas vias que cortam o sertão do Brasil. No entanto, a mais dura adversidade que Chico enfrenta é ver sua família ser dilacerada. Em função da fome, Josias come mandioca brava, vindo a falecer. Mocinha se separa dos familiares diante de oportunidade de trabalho. Pedro desaparece, acreditando-se que partiu com tropeiros, mas, na verdade, a família que se desfaz pelo interior do Ceará não sabe o que realmente aconteceu com o menino. Manuel (Duquinha) é, em Fortaleza, dado à sua madrinha Conceição.
Por outro lado, o drama de Chico Bento vai além de assistir ao esfacelamento da sua família. Em uma sociedade patriarcal, inserida em um mundo onde a maioria esmagadora busca apenas sobreviver e o pragmatismo das ações é importante estratégia para não morrer, pesa nos ombros de Chico a responsabilidade pelo bem estar da família, prover o sustento dos seus, bem como recai-lhe a tentativa de salvar o filho que, envenenado, agoniza frente aos seus olhos. Também, segundo a película, é sobre Chico que incide a palavra final sobre dar ou não o seu filho Duquinha para Conceição.
Após passar por campo de concentração em Fortaleza para os flagelados, com a ajuda de Conceição, Chico consegue ir para São Paulo. Entretanto, a esta altura, sobra-lhe apenas a mulher e um filho. Partem. Deixam sua terra de origem. Em seguida, vem o fim da seca, oportunidade de recomeço para os que ficam e sobreviveram à seca.