II Colóquio Internacional da Red Iberoamericana de la Historia de la Historiografía

Ocorreu, de 23 a 27 de outubro, o II Colóquio Internacional da Red Iberoamericana de la Historia de la Historiografía. Realizado de forma inteiramente on-line, o evento contou com mesas redondas coordenadas por pesquisadores de universidades de diversos países da América Latina, da Espanha e da França, além de conferência de Jurandir Malerba (UFRGS/Brasil) e do encontro com José Emilio Burucúa (UNSAM/Argentina).

 

Nas mesas do colóquio, pesquisadores da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Espanha, Equador, França, Guatemala, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela debateram pesquisas relacionadas à historiografia. Temas como a profissionalização do ofício do historiador, os usos públicos da História, a biografia, a cultura escrita, as redes historiográficas, a historiografia das ciências e a historiografia acadêmica e história escolar estiveram presentes no evento internacional.

 

A Red Iberoamericana de la Historia de la Historiografía “surgiu em 2020, durante o confinamento gerado pela pandemia. A ideia partiu de Tomás Sansón, professor uruguaio que há várias décadas trabalha temas de história da historiografia a nível nacional e regional. Ele iniciou os contatos ao longo da Iberoamérica para formar uma rede que congregasse acadêmicos de diversos países interessados na historiografia da região. Assim, fui convidado para participar de um espaço frutífero de intercambio no qual surgiu a ideia de organizar o primeiro colóquio” pontua Nicolás Arenas, professor da Universidad de los Andes (Chile), membro fundador da Red, de sua Comissão Coordenadora e integrante do Comité Organizador das duas edições do Colóquio.

 

O historiador ainda destaca que “não se tratava de um espaço fechado, mas de uma rede que se ampliaria progressivamente, com uma perspectiva internacional e intergeracional. Portanto, o Colóquio permitiu agregar esses pesquisadores (jovens e experientes) para que conhecessem os trabalhos uns dos outros e que se gerasse um ambiente profícuo de diálogo e discussão” e, em relação aos eventos da Red, Arenas também relembra que “a primeira edição se realizou em outubro de 2021, tendo contado com quase uma centena de expositores de 14 países. O evento foi local de debate de diversos tópicos sobre a história da historiografia e também foi plataforma para projetos de pesquisa e publicações. A dimensão do evento levou a Red a propor sua realização a cada dois anos. Em 2022, também para manter a Red em atividade, se realizaram três encontros que pretendiam-se recuperar alguns dos debates realizados no primeiro colóquio. A agenda incluiu um encontro sobre a História do Brasil, outro sobre a Guerra do Chaco e um terceiro sobre os processos de profissionalização e institucionalização da história na Colômbia e na Argentina”.

 

Sobre o II Colóquio, Arenas conta que “este ano, animados pelo êxito da primeira edição, se realizou uma segunda versão, que também contou com uma alta adesão, tanto de expositores, quanto de ouvintes interessados no tema”. Perguntado sobre a importância do mundo digital para a realização do evento, o pesquisador afirma que “sem dúvidas, o virtual é essencial para o funcionamento de uma rede tão ampla, e ainda mais para a realização de um evento desta dimensão. No âmbito acadêmico americano, no qual a mobilidade internacional ainda não se normalizou depois da pandemia, esta modalidade nos permite conhecer pesquisas de colegas de diversas latitudes. Além disto, têm nos permitido convidar acadêmicos de destaque para que se realizem reflexões sobre distintos aspectos da disciplina.”

 

Mesa 4: coordenada pelos Profs. Drs. Martha Rodríguez (UBA/Argentina), José Cal Montoya (USAC/Guatemala), Denise Reyna (UNC/Argentina) e Fábio Ferreira (UFF/Brasil).

Assim, ao longo dos cinco dias do encontro, proporcionou-se o debate acadêmico sobre a historiografia no espaço Iberoamericano, conectando pesquisadores dos dois hemisférios e dos dois lados do Atlântico. Agora é aguardar 2025, quando haverá o III Colóquio Internacional.

 

 

 

 

Sobre o evento
II Colóquio Internacional da Red Iberoamericana de la Historia de la Historiografía
Online, de 23 a 27 de outubro de 2023

 

 

Comité Organizador
Nicolás Arenas Deleón (UANDES, Chile)

 

José Cal Montoya (USAC, Guatemala)

 

Bárbara Gómez (Universidad Católica Nuestra Señora de laAsunción, Paraguay)

 

Fábio Ferreira (UFF, Brasil)

 

Alex Loayza Pérez (UNMS, Perú)

 

Denise Reyna Berrotarán (UNC, Argentina)

 

Martha Rodríguez (UBA, Argentina)

 

Israel Sanmartín (USC, España)

 

 

 

Ir à edição atual

 

 

 

Durante os dias 10 e 13 de outubro de 2006 aconteceu na cidade de Campinas, no campus da PUC, o VII Encontro Internacional da Associação Nacional de Pesquisadores de História Latino-americana e Caribenha, ANPHLAC, sendo este o maior encontro de pesquisadores da área de história da América já realizado até então.

Sobre a instituição, a presidente da ANPHLAC no período de 2004 a 2006, a Profª. Drª. Lilia Inés Zannotti de Medrano, da PUC-Campinas, expõe que a Associação foi criada por um grupo de pesquisadores cujo interesse comum era a história latino-americana e caribenha. A historiadora ainda conta que "Reunidos em Mariana, em janeiro de 1992, estabeleceram naquela oportunidade, os objetivos da Associação: incentivar a formação de pesquisadores em história latino-americana e caribenha, por meio da implementação de programas de pós-graduação, estimular a pesquisa na área e promover, no âmbito universitário, uma discussão sobre o ensino da história da América e do Caribe nas escolas de ensino fundamental e médio. Além disso, foi estabelecido organizar encontros bianuais, que seriam realizados em diversas universidades do país, para divulgar os resultados das pesquisas e da avaliação sobre o ensino, assim como aproximar os pesquisadores para o debate e discussão dos resultados de suas pesquisas. Outra preocupação dos pesquisadores da ANPHLAC foi a organização e a divulgação de um acervo bibliográfico e de fontes para a história latino-americana e caribenha disponíveis no Brasil."

Além disto, Medrano observa que "Desde aquele primeiro Encontro em Mariana, a ANPHLAC organizou outros sete encontros nacionais, a saber: Rio de Janeiro (1994), Brasília (1996), Belo Horizonte (1998), São Paulo (2000), Bahia (2002), Maringá (2004) e Campinas (2006), sendo este foi o primeiro de caráter internacional. Os resultados desses encontros mostraram o crescimento, em número e qualidade, das pesquisas realizadas pelos seus associados e participantes de diversas universidades do país e do exterior o que, por outro lado, mostrou também o crescente interesse pelos estudos latino-americanos no Brasil e no mundo. No VII Encontro Internacional foram debatidas e divulgadas as produções acadêmicas mais recentes, realizadas no país e no exterior, apontando as tendências para novos objetos de estudo e novas problemáticas sobre as sociedades latino-americanas e caribenhas."

O evento realizado em Campinas teve mais de 60 mesas redondas, permitindo a abrangência dos temas propostos pelos pesquisadores participantes do encontro, que englobaram trabalhos com corte temporal desde a época da América pré-colombiana até o período dos governos militares do século XX, passando por trabalhos relativos ao período das independências latino-americanas. Além disto, o Encontro trouxe pesquisadores de outros países da América Latina, que corresponderam a mais de 10% do número de inscritos no evento, contribuindo, deste modo, para a sua internacionalização e ampliando o intercambio acadêmico com pesquisadores estrangeiros.

A cerimônia de abertura do evento teve a presença da diretoria da PUC-Campinas e da ANPHLAC. Em seguida, houve a conferência do Prof. Dr. Héctor Hernán Bruit, da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), intitulada "A construção de uma cultura 'criolla' na América". Já a conferência de encerramento, no dia 13, foi proferida pela Prof. Dr. Patricia Funes, da Universidad de Buenos Aires (UBA), que tinha como título "Censura, Cultura y Represión en Argentina a través de los Servicios del Inteligencia del Estado".

Após quatro dias de duração do Encontro, que realizou uma profunda discussão da história e de questões relativas às Américas, a presidente da ANPHLAC, perguntada sobre a relevância da Associação e dos seus encontros para o estudo das Américas e do Caribe no Brasil afirma que "A importância dos encontros da ANPHLAC reside em ter conseguido criar um espaço para debater e divulgar os resultados das pesquisas realizadas no Brasil, para avaliar os percursos da historiografia latino-americana e das linhas de pesquisa priorizadas nos programas de pós-graduação. Também, para acolher e debater as contribuições dos pesquisadores de outras universidades do mundo que trabalham sobre a história deste continente. Neste sentido, os objetivos da ANPHLAC vêm sendo plenamente atingidos." A historiadora ainda complementa que "Outra preocupação dos pesquisadores da ANPHLAC está relacionada ao ensino de história da América nas escolas de ensino fundamental e médio. Neste sentido, uma das tarefas é aproximar universidade e escola, buscar e proporcionar os meios para levar o conhecimento histórico sobre o continente, divulgando e debatendo problemas latino-americanos do passado e do presente, procurando marcos de referências para compreender seus conflitos e tensões, suas frustrações e impotências frente aos desafios que compartilham. Finalizando, acredito que a ANPHLAC, que tive a honra de presidir, no período 2004-2006 junto aos meus colegas Profª. Drª. Francisca L. Nogueira de Azevedo, da UFRJ, como vice-presidente, Prof. Dr. José Alves de Freitas Neto, da UNICAMP, como secretário e a Profª. Drª. Libertad Borges Bittencourt, da UFG, como tesoureira, vem mostrando o importante avanço da pesquisa sobre a América Latina e Caribe no país contribuindo, como já disse, para o debate historiográfico e promovendo, também, o intercâmbio acadêmico e institucional.".

O Prof. Dr. José Alves de Freitas Neto, da UNICAMP, indagado sobre os maiores desafios em realizar um evento do porte da ANPHLAC, respondeu que "A maior dificuldade é mesmo a garantia de recursos para a realização. As agências de pesquisa que responderam favoravelmente ao nosso pedido (CAPES e FAPESP) deram respostas às vésperas do Encontro. Isso inviabilizou que pudéssemos assumir previamente alguns compromissos. Também há, o que independe da ANPHLAC, as respostas demoradas ou negadas de diversas instituições que não financiam seus próprios membros, ou seja, algumas pessoas se inscreveram, tiveram seus trabalhos aprovados, mas não obtiveram auxílio para se deslocar de seus estados ou países até Campinas. Nunca devemos nos esquecer as dimensões territoriais do país e os custos de deslocamento e hospedagem. Devo louvar, em contrapartida, que a imensa maioria dos pesquisadores que vem ao Encontro o fazem por conta própria, demonstrando seu apreço por esse Encontro, pela qualidade que ele representa e pela oportunidade única para os especialistas em História das Américas e Caribe no Brasil."

Assim, a ANPHLAC promoveu em Campinas o maior encontro realizado no Brasil sobre a história das Américas e do Caribe, com a participação de historiadores de diversas partes do continente. Além disto, na cidade paulista decidiu-se que o próximo encontro da ANPHLAC será realizado em julho de 2008, na cidade de Vitória, no campus da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

 

 

 

 

 

Conheça artigos acadêmicos disponíveis na Revista Tema Livre.

 

Leia entrevistas com historiadores de diversas instituições do Brasil e do exterior clicando aqui.

 

Veja outros eventos que a Revista Tema Livre realizou a cobertura. Clique aqui.

 

 

Voltar à edição nº 12

 

“Bem traçadas linhas – a história do Brasil em cartas pessoais”, o mais recente livro do historiador Renato Lemos, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, teve o seu lançamento no último dia 30 de novembro, na livraria Folha Seca, no Centro do Rio de Janeiro.

Renato Lemos
Renato Lemos

A publicação apresenta a correspondência epistolar de diversas gerações de artistas, políticos e intelectuais dos séculos XIX e XX. Encontram-se, por exemplo, missivas de Francisco Varnhagen para D. Pedro II, de Joaquim Nabuco para Machado de Assis, de Mário de Andrade a Luís da Câmara Cascudo, de Gilberto Freire para Oliveira Lima, de Anísio Teixeira para Monteiro Lobato, de Fernando Sabino para Clarice Lispector, entre outros.

As epístolas são apresentadas em ordem cronológica, de acordo com a data em que foram escritas, a partir da década de 1840 até 1996. Além disto, os autores são agrupados em gerações, sendo cada uma correspondente ao período usual de trinta anos.

Assim, a publicação, através das cartas, apresenta hábitos sociais, movimentos artísticos e, ainda, adventos relevantes à História do Brasil, como, por exemplo, a Guerra do Paraguai, o Tenentismo e a instalação do regime militar de 1964.

capa_linhas“Bem traçadas linhas – a história do Brasil em cartas pessoais”.
Autor: Renato Lemos
Editora: Bom Texto
Nº de páginas: 480
Formato: 16x23cm

– Veja outros eventos que a Revista Tema Livre realizou a cobertura.

– Também leia entrevistas concedidas por historiadores à Revista.

E “clicando” aqui, artigos academicos disponíveis na Revista Tema Livre.

José Murilo de Carvalho a discursar na cerimônia de sua posse. À esquerda do acadêmico eleito, a compor a mesa, Affonso Arinos, Arnaldo Niskier, Ivan Junqueira, Almicar Viana Martins e Ana Maria Machado.

O historiador José Murilo de Carvalho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi empossado na cadeira nº 5 da Academia Brasileira de Letras (ABL) no dia 10 de setembro de 2004. A cadeira conta com Bernardo Guimarães como patrono e teve como ocupantes Rachel de Queiroz, falecida em novembro último, Cândido Mota Filho, Aloísio de Castro e Oswaldo Cruz.

A cerimônia de posse ocorreu no salão nobre do Petit Trianon, no centro do Rio de Janeiro, e iniciou-se às 21 horas. A mesa foi presidida pelo acadêmico Ivan Junqueira, presidente da Instituição, e composta pelos acadêmicos Arnaldo Niskier, secretário de cultura do Estado do Rio de Janeiro, Affonso Arinos de Mello Franco e Ana Maria Machado, primeira secretária da ABL, além do representante do governador de Minas Gerais, Dr. Almicar Viana Martins, presidente da Fundação João Pinheiro.

Depois que todos tomaram seus lugares à mesa, são anunciadas pelo presidente as seguintes presenças no evento: Pedro Correia do Lago, presidente da Biblioteca Nacional, a representar o Ministro da Cultura, Sr. Gilberto Gil; o Prof. Manuel Domingos Neto, vice-presidente do CNPq; Dr. Arno Welling, presidente do IHGB; Dr. José Fernandes Neto, prefeito de Piedade do Rio Grande, cidade natal do acadêmico eleito; Dr. Jacó Tales Júnior, vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências; e João Ricardo Roberto, presidente da Academia Brasileira de Filosofia. A solenidade contou também com a presença de diversos imortais e membros da academia universitária.

Após o anúncio, os acadêmicos Alfredo Bosi, Tarcísio Padilha e Antonio Olinto introduzem no salão nobre o acadêmico eleito José Murilo de Carvalho, que é aplaudido de pé pelos presentes.
A palavra é passada ao novo membro e o seu discurso, que dura cerca de 45 minutos, aborda o patrono da cadeira e os antigos ocupantes desta. Em seguida, o acadêmico eleito assina o livro de posse e, após a assinatura, recebe pelas mãos dos acadêmicos Alberto da Costa e Silva o colar, Humberto Portela a espada, e de Cícero Sandroni o diploma.
O novo imortal, após o seu discurso, sendo cumprimentado por Affonso Arinos.

José Murilo de Carvalho a assinar o livro de sua posse.
Em seguida, o presidente declara José Murilo de Carvalho empossado na cadeira nº 5, citando o patrono da mesma, o fundador – Raimundo Correia –, e os outros ocupantes, passando a palavra ao acadêmico Affonso Arinos de Mello Franco.

Affonso Arinos, convidado para receber o acadêmico eleito, discursa por aproximados 40 minutos. No discurso, fala de José Murilo de Carvalho e a relevância de sua obra acadêmica. Após citar várias das instituições das quais o historiador faz parte, Affonso Arinos finaliza assim o seu discurso: “Adentrais agora com merecimento total e para honra nossa, nos umbrais da Academia Brasileira de Letras. Historiador José Murilo de Carvalho, interprete do Brasil, esta casa de grandes historiadores é naturalmente de direito e de fato a vossa casa, obrigado”

Logo após, o coral composto por ex-colegas de seminário do acadêmico eleito, que vieram de Minas ao Rio, presta uma homenagem ao novo imortal.

Ao final, os acadêmicos Marcos Vinicius Vilaça e Alberto Venancio Filho conduzem o acadêmico José Murilo de Carvalho e a sua esposa ao salão dos fundadores, onde recebem os cumprimentos dos presentes à cerimônia, seguido de um coquetel.
José Murilo de Carvalho a receber o cordão de Alberto da Costa e Silva.

– Leia a entrevista que José Murilo de Carvalho concedeu à Revista Tema Livre.
– Veja outros eventos que a Revista Tema Livre realizou a cobertura.

O historiador Renato Lemos a autografar um exemplar do seu livro.
O historiador Renato Lemos a autografar um exemplar do seu livro.

Organizado pelo historiador Renato Lemos, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o livro “Justiça Fardada: o general Peri Bevilaqua no Superior Tribunal Militar (1965-1969)” teve o seu coquetel de lançamento realizado no Salão Nobre do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da citada universidade na noite do dia 31 de março de 2004.

No livro encontram-se 33 habeas corpus de personagens ligados a distintos segmentos da sociedade brasileira, como intelectuais, sindicalistas e até mesmo pessoas comuns. Pode-se ler na publicação os habeas corpus de figuras como Fernando Henrique Cardoso, Darci Ribeiro, José Dirceu, Florestan Fernandes e Vladimir Palmeira.

A respeito da pesquisa, Lemos comenta: “Meu interesse surgiu quando trabalhava no Museu Casa de Benjamin Constant e os filhos do general resolveram doar o acervo do pai ao museu. Desde então, estabeleci contato com a documentação e com o personagem, fazendo-os eixo de meus projetos na UFRJ.”

Para a realização do trabalho, o historiador pesquisou no Arquivo Peri Constant Bevilaqua, composto pelas já citadas doações, além de cópias de documentos cedidos pelo Superior Tribunal Militar (STM), e que está disponível no Museu Casa de Benjamin Constant, no Rio de Janeiro, aberto à consulta.

Sobre o general Bevilaqua (1899 – 1990), neto de Benjamin Constant, que atuou na implementação da República, sua carreira militar tem início no ano de 1917, quando adentra a Escola Militar de Realengo, no Rio, e, a partir daí, presencia e atua em diversos momentos relevantes da história política brasileira do século XX, como, por exemplo, quando a Junta Pacificadora, da qual integrava a secretaria, depõe o presidente Washington Luís; foi também um dos trinta generais que prepararam um manifesto, em 23 de agosto de 1954, exigindo a renúncia de Getúlio Vargas; e quando Jânio Quadros renuncia a presidência, dividindo o campo político-militar em contrários e favoráveis a posse do seu vice, João Goulart, Bevilaqua posiciona-se a favor da solução constitucional, além de ser contrário ao bombardeio que o Ministério da Guerra, para beneficiar os golpistas, ordenou ao Palácio do Governo gaúcho, de onde o então governador Leonel Brizola liderava a Cadeia da Legalidade.

Com a instalação do regime militar, em 1964, e a chegada de Castelo Branco a presidência, Bevilaqua permanece como chefe do Estado Maior das Forças Armadas, entretanto, não deixa de divergir das opções econômicas e repressivas do novo governo, inclusive, a posicionar-se contra o primeiro Ato Institucional do citado regime. Em 15 de fevereiro de 1965, dois decretos presidenciais mudam a posição do general dentro do governo: é exonerado da chefia que ocupava desde a época de Jango e é nomeado ministro do Superior Tribunal Militar, onde não abandona a sua postura, continuando, assim, a divergir de diversos posicionamentos do governo.

A respeito da trajetória política de Bevilaqua, Lemos afirma que “Na minha opinião, o general é a encarnação do militar legalista do período 46-64, com todas as contradições que a postura legalista encerra, em especial diante dos processos de lutas sociais. Depois de 1964, ele foi, com certeza o que de melhor havia na oposição militar ao regime ditatorial.”

Assim, no STM, Bevilaqua concedeu diversos habeas corpus, posicionou-se contra o Ato Institucional nº 2 e foi a favor da liberdade dos perseguidos pelo regime vigente, o que levou, em janeiro de 1969, ao seu afastamento arbitrário do STM, com base no AI-5, três meses antes de completar 70 anos, quando se reformaria compulsoriamente, tendo, também, as suas condecorações militares confiscadas, devolvidas apenas em 2002, doze anos após o seu falecimento.

capa_justiçaCapa do livro “Justiça Fardada: o general Peri Bevilaqua no Superior Tribunal Militar (1965-1969)”.
Organizador: Renato Lemos
Editora: Bom Texto
Nº de páginas: 367
Formato: 16x23cm

 

 

 

– Veja outros eventos que a Revista Tema Livre realizou a cobertura.
– Também leia entrevistas concedidas por historiadores à Revista.
E “clicando” aqui, artigos academicos disponíveis na Revista Tema Livre.
Voltar à Edição

Foto do coquetel de lançamento do livro.
Foto do coquetel de lançamento do livro.

“Carlota Joaquina na corte do Brasil”, livro da historiadora da UFRJ Francisca Azevedo, editado pela Civilização Brasileira, teve seu lançamento na Livraria da Travessa, Ipanema, no dia 19 de novembro último.

Buscando um novo olhar sobre a personagem, abandonando as análises que caracterizam-na como vulgar, inculta e adultera, Francisca Azevedo, que teve como fonte de pesquisa 1.453 documentos – como cartas, por exemplo, sendo estas correspondências ativas, passivas e correlatas –, apresenta uma Carlota que é articuladora e líder política, que rompia com as relações tradicionais de gênero da época, porém sem ignorar os aspectos humanos da personagem.

Além da história da própria Carlota Joaquina, paralelamente, o livro trata das relações internacionais da época, que, dentre os seus acontecimentos, há a invasão da Península Ibérica por Napoleão Bonaparte, a transmigração da família real portuguesa de Lisboa para o Rio de Janeiro e o interesse joanino em estender seus domínios até o Rio da Prata.

Assim sendo, a autora, com o seu trabalho, contribui com a investigação histórica, dando uma nova perspectiva de análise à Princesa do Brasil.

livrocarlotaCapa do livro “Carlota Joaquina na corte do Brasil”.
Autor: Francisca L. Nogueira de Azevedo
Editora: Civilização Brasileira
Nº de páginas: 400
Formato: 14x21cm
Preço: R$40,00.

 Leia na integra a entrevista concedida por Francisca Azevedo à Revista Tema Livre, onde a autora fala em primeira mão do seu livro.

– Também veja as fotos do Palácio de Queluz, em Portugal, onde Carlota viveu e morreu.
Conheça artigos referentes ao período/tema disponíveis na Revista Tema Livre:
– Breves considerações acerca da Província Cisplatina: 1821-1828
– As incursões franco-espanholas ao território português: 1801 – 1810
– Moeda e Crédito no Brasil: breves reflexões sobre o primeiro Banco do Brasil (1808-1829)

– A política externa joanina e a anexação de Caiena: 1809-1817.
– A Presença Luso-brasileira na Região do Rio da Prata: 1808-1822.

O XXII Simpósio da ANPUH, realizado em João Pessoa, no campus da UFPB (Universidade Federal da Paraíba), no período de 27 de julho a 01 de agosto, contou com cerca de 5.000 participantes, entre eles pesquisadores brasileiros e estrangeiros, sendo este o maior evento da área de história no Brasil.

Sessão de abertura do XXII Simpósio Nacional de História.
Sessão de abertura do XXII Simpósio Nacional de História.

O evento, que contou com diversas conferências, simpósios temáticos, mini-cursos, e outras atividades, teve a sua abertura realizada no Espaço Cultural José Lins do Rego, no domingo à noite, a reunir, já aí, diversos pesquisadores, além de ter-se realizado a conferência de abertura do Simpósio com o prof. Dr. Edgar Salvadori De Decca, da UNICAMP e presidente da ANPUH (2001-2003), que discorreu sobre o tema do encontro: “História, acontecimento e narrativa.”

XXII Simpósio da ANPUH,
O Prof. Dr. Edgard Salvadori de Deca durante a abertura do evento.

Carla Ferretti Santiago, historiadora e professora da PUC-MG, em relação à importância do evento para os historiadores brasileiros afirma: “participo já há vários anos dos Simpósios da ANPUH, acho que eles são espaços de interlocução, de conhecimento das várias instituições do Brasil inteiro. São eventos grandes, por isso trazem uma série de problemas, mas vejo como espaço necessário para que os historiadores a nível nacional troquem suas experiências, então, sempre procuro estar presente para ver o que o meu colega do Rio Grande do Sul, de Goiás, de onde for, está fazendo.”

Pronunciamento do reitor da UFPB, prof. Jader Nunes de Oliveira, na solenidade de abertura.
Pronunciamento do reitor da UFPB, Prof. Dr. Jader Nunes de Oliveira, na solenidade de abertura.

Soma-se, ainda, que durante o Simpósio foi empossada a nova diretoria nacional da ANPUH, com a seguinte composição:

 

Presidente: Luis Carlos Soares – UFF

Vice-Presidente: José Miguel Arias Neto – UEL

Secretário Geral: João Pinto Furtado – UFMG

1º Secretário: Tereza Malatian – UNESP/Franca

2º Secretário: Margarida Maria Dias de Oliveira – UFPB/UNIPÊ

1º Tesoureiro: John Monteiro – UNICAMP

2º Tesoureiro: Antonio Carlos Amador Gil – UFES

 

Assim, o XXII Simpósio da ANPUH, durante uma semana, proporcionou a troca de experiências entre grandes nomes da história, não só do Brasil, mas, também, do exterior. O próximo evento nacional, em 2005, realizar-se-á em Maringá, no Paraná, sendo 2004 o ano para os eventos regionais, que, no caso do Rio de Janeiro, terá a UFRJ como ponto de encontro.

 

Entrevistas realizadas durante o XXII Simpósio Nacional de História:

António Manuel Hespanha

Carla Ferretti Santiago

James N. Green

Margarida Maria Dias

Para mais entrevistas com historiadores na Revista Tema Livre, clique aqui.

Para a leitura da cobertura de outros eventos, clique aqui.

 

cladhe01
Prédio da Faculdade de Direito da Universidad de la Republica, onde ocorreu o CLADHE I.

.

 

O 1º Congresso Latino-Americano de História Econômica (CLADHE I), realizado conjuntamente com as 4as Jornadas Uruguaias de História Econômica, ocorreu, durante os dias 5 a 7 de dezembro de 2007, na cidade de Montevidéu. O CLADHE I foi organizado pelas Associações de História Econômica da Argentina, Brasil, Colômbia, México e Uruguai, tendo contado com o respaldo da Associação Internacional de História Econômica. As Jornadas Uruguaias foram organizadas pela Asociación Uruguaya de Historia Económica (AUDHE).

 

Parte frontal do prédio que abrigou o CLADHE I, na 18 de julho, no centro de Montevidéu.
Parte frontal do prédio que abrigou o CLADHE I, na 18 de julho, no centro de Montevidéu.
 

Observa-se que as Associações envolvidas na realização do CLADHE I possuem encontros regulares de História Econômica em seus respectivos países, sendo esta a base para o estabelecimento do evento que ocorreu na capital do Uruguai. Além disto, em virtude do CLADHE I, Montevidéu recebeu uma série de pesquisadores de diversos países da América Latina e de outras partes do globo, como Europa e Estados Unidos.

 

Faixa do evento com os respectivos logos das associações da Argentina, Brasil, Colômbia, México e Uruguai.
Faixa do evento com os respectivos logos das associações da Argentina, Brasil, Colômbia, México e Uruguai.


O evento internacional ocorreu nas instalações da Universidad de la República (UDELAR), mais especificamente na Faculdade de Direito. A abertura do CLADHE I foi na manhã do dia 5 de dezembro, sendo que a sua primeira mesa intitulava-se "Uruguay, América Latina y La Economía Internacional" e foi coordenada pelo argentino Roberto Cortés Conde, tendo como palestrante o ministro da economia e finanças do Uruguai, Danilo Astori.

 

Mesa coordenada por Roberto Cortés Conde e o palestrante Danilo Astori, ministro uruguaio.
Mesa coordenada por Roberto Cortés Conde e o palestrante Danilo Astori, ministro uruguaio.

 

O CLADHE I ainda contou com mais quatro mesas, que ocorreram durante o evento, bem como outros trinta e cinco simpósios, sendo que, tanto as mesas, quanto os simpósios, foram compostos por acadêmicos de diversas procedências, como, por exemplo, Brasil, Costa Rica, Chile, Peru, Estados Unidos, Austrália, Inglaterra e Espanha.

 

Pesquisadores assistindo à abertura do evento.
Pesquisadores assistindo à abertura do evento.

 

Pesquisadores assistindo à abertura do evento.
Pesquisadores assistindo à abertura do evento.

 

Após três dias de debates envolvendo questões concernentes à História Econômica, o evento teve seu término no dia 7 de dezembro, uma sexta-feira. À noite, houve a cerimônia de encerramento do CLADHE I, com coquetel de despedida no Cabildo de Montevidéu, prédio situado na parte antiga da cidade.

 

Noite de encerramento: No Cabildo de Montevidéu, coquetel para os congressistas.
Noite de encerramento: No Cabildo de Montevidéu, coquetel para os congressistas.

 

Assim sendo, Montevidéu recebeu pesquisadores de diversas partes do mundo, que durante o CLADHE I debateram importantes questões concernentes à História Econômica e à América Latina, promovendo importante integração intelectual entre os vários países do continente e, ainda, entre pesquisadores latino-americanos e de outras partes do globo. O CLADHE II ocorrerá em 2010, na cidade do México.

 

Fachada do Cabildo de Montevidéu.
Fachada do Cabildo de Montevidéu.

 

 

 

 

 

Conheça artigos acadêmicos disponíveis na Revista Tema Livre.

 

Leia entrevistas com historiadores de diversas instituições do Brasil e do exterior clicando aqui.

 

 

Voltar à edição nº 13

 

 

 

 

Voltar à página inicial

 
Popular